Podcast #002 – Planejamento Alimentar, Cardápio e Marmitas Low Carb com Carol Bassan

Desta vez eu recebi a Carol, do Loca de Fome, para falar sobre a elaboração de marmitas e cardápio low carb.

Se você chegou agora ao podcast, seja muito bem-vindo.

Este meu novo projeto irá ao ar quinzenalmente, e nele eu receberei para um bate papo leve e descontraído diversos especialistas que eu respeito e admiro.

Esse episódio de hoje ficou demais, e eu espero que você aprenda com ele tanto quanto eu aprendi.

A Carol tem uma presença super bacana nas redes sociais, e faz há anos um ótimo trabalho na divulgação de dicas e ideias para quem quer seguir uma alimentação saudável.

Inclusive, siga ela no Instagram: @locadefome .

Lembrando que você pode encontrar todos os episódios publicados do podcast Batata Assando diretamente nessa seção.

Gravação do Episódio Ao vivo

Todos os episódios do podcasts Batata Assando são e serão gravados ao vivo como forma de live no meu Instagram @batata.assando.

Dessa forma, é importante que você me siga e ative as notificações de postagem do perfil @batata.assando caso queira acompanhar as gravações, fazer perguntas e interagir ao vivo.

Planejamento Alimentar: Ele pode te Salvar

Ninguém melhor para falar sobre planejamento alimentar e elaboração de cardápios e marmitas low carb do que a Carol!

Ela é especialista no assunto e contou para nós como se planejar para tornar sua dieta literalmente à prova de falhas.

Hoje você vai aprender inúmeras novidades, incluindo:

  • o que realmente é “planejamento alimentar”;
  • quais suas vantagens e desvantagens;
  • como elaborar seus cardápios low carb com antecedência pode salvar seu emagrecimento;
  • os melhores alimentos para compor suas marmitas congeladas;
  • que receitas fazer para guardar;
  • o que não cozinhar com antecedência;
  • como fazer seu dinheiro render muito mais no supermercado;
  • dentre vários outros temas.

A conversa com a Carol ficou incrível, e eu espero que você aproveite esse podcast.


PRIMEIROS RESULTADOS EM ATÉ 7 DIAS


CARDÁPIO GRATUITO PARA A DIETA LOW CARB

Descubra como emagrecer com a dieta low carb comendo refeições saborosas todos os dias

Ouça também nas plataformas: iTunes | Google Podcasts | Spotify

Pedro: boa noite pessoal, tudo certo com vocês?

Pedro Camargo aqui, do Batata Assando.

Em primeiro lugar eu quero dar boas vindas para todo mundo que estiver acompanhando aqui ao vivo a nossa live.

Hoje eu vou trazer aqui para vocês a Carol. A Carol é do Loca de Fome, ela já está prontinha para entrar, já pediu aqui para entrar.

Todo mundo que tem pergunta deixa para o final que a gente vai responder.

E é legal que a sua dúvida pode ser de outra pessoa, então não deixe de perguntar porque iremos responder no final e vai ficar gravado para sempre aqui como podcast e depois eu vou disponibilizar para vocês. 

Então agora eu vou liberar a Carol para a gente começar a falar do nosso tema. 

Carol: oi Pedro.

Pedro: Fala Carol. Tudo certo?

Carol: tudo bem, está me ouvindo bem?

Pedro: eu estou, você está me ouvindo?

Carol: estou, perfeito. 

Pedro: bom Carol, acho que em primeiro lugar eu vou abrir aqui o nosso roteirinho, mas acho que enquanto eu vou abrindo você pode aproveitar para se apresentar para o pessoal, fala um pouquinho mais do seu perfil, sobre o que você gosta de abordar. Aproveite e se apresente.

Carol: bom, boa noite a todos. Estou muito feliz aqui com o convite do Pedro em participar desta live. É um conteúdo tão fundamental para as pessoas. Para quem não me conhece eu sou a Carol e tenho o perfil @LocadeFome

Bom, eu falo bastante sobre alimentação saudável de forma geral, receitas saudáveis. gosto muito de divulgar as minhas receitas. 

Ultimamente eu tenho batido bastante na tecla do planejamento alimentar e a importância que tem um planejamento e o impacto positivo que isso tem na rotina das pessoas.

Eu também tenho um canal no Youtube com o mesmo nome Loca de Fome, que inclusive foi através dele que a gente se conheceu, né Pedro?

Pelo menos eu te conheci por lá e comecei a te seguir a partir do Youtube. Te confesso que tu foi uma grande referência para mim há 4 ou 5 anos atrás quando eu comecei a divulgar conteúdo na internet.

Me espelhei na forma como tu apresenta conteúdo, foi bastante interessante porque ingressar no mundo digital assim falando de low carb principalmente, onde o pessoal às vezes não estava tão receptivo a esse tipo de alimentação.

Agora o pessoal já gosta, já conhece mais. Mas há 4 ou 5 anos atrás isso não era tão falado. Então, mais ou menos essa sou eu. 

Pedro: legal. Queria avisar para o pessoal que o seu canal no youtube também é bem bacana, tem muita receita bem legal. Eu acho o modelo dos seus vídeos bem bons também, fica aí a recomendação para o pessoal, porque eu imagino que muita gente que está aqui gosta bastante de ir para a cozinha e fazer receita low carb, então já fica a dica aqui.

Eu acho que inclusive uma receita de pão francês low carb, a primeira pessoa que eu vi fazendo uma receita de pão francês foi você. Ai eu confesso que peguei muita coisa que você usou lá, ai eu coloquei lá a minha cara para dar uma adaptada.

Carol: inclusive sou muito grata por isso porque essa é uma das receitas que mais bombaram lá no meu youtube é muito por causa das suas indicações. Hoje ela tem mais de 50 mil visualizações e eu sou muito agradecida por tu ter divulgado também ela. 

Pedro: que bacana, não sabia que tinha bombado. 50 mil é muito bom.

Carol: sim, ainda mais em um canal pequeno como o meu bah, foi ótimo.

Pedro: youtube é difícil com quem fala de conteúdo de nicho igual a gente. Mas bom Carol, vamos falar do que eu acho que é mais importante a gente falar hoje.

Você já logo puxou o tema do planejamento alimentar, do planejamento de cardápio pra dieta low carb, eu acho que as pessoas entendem mais com essa palavra cardápio e eu queria que em primeiro lugar você falasse o porquê que você acha importante o planejamento e depois a gente caminha, a gente vai falar mais sobre isso.

Baixe meu cardápio low carb de 7 dias gratuitamente clicando aqui.

Mas por que você acha isso importante e qual é o grande diferencial entre a pessoa que planeja e a pessoa que não planeja as suas refeições.

Carol: bom, primeiro assim a rotina das pessoas é muito corrida. Então, são muitas tarefas envolvidas. A gente tem trabalho, tem filho, atividade física, lazer, passatempo com a família, tempo de qualidade para descansar mesmo. Na grande maioria das vezes, a alimentação acaba ficando em segundo plano, então as pessoas acabam recorrendo ao que está mais fácil, mais acessível, mais disponível.

Então é muito mais fácil tu passar na padaria e pegar um pão indo para casa, ou vai la no mercado e compra aquela comida pronta, ou simplesmente pega o telefone e liga para o delivery é a comida rapidamente esta la na sua frente. Então a gente acaba recorrendo muito a esses alimentos facilitadores e isso vai ter um alto custo para a nossa saúde.

Às vezes a gente acaba não sentindo na hora que está consumindo, mas no futuro isso no futuro com certeza terá um reflexo negativo na nossa saúde.Então quem vai pagar isso são nós mesmo lá para frente.

Aí é quando o planejamento entra, ele entra para retirar esses obstáculos que o próprio dia a dia nos impõe e nos facilitar o acesso a alimentação saudável, seria como se facilitasse o acesso a alimentação saudável retirando todas aquelas dificuldades, aquelas pedras no caminho, uma vez que os alimentos, que a comida saudável vai estar pronta e disponível para gente de uma forma mais fácil.

O resumo seria mais ou menos: o planejamento constrói pontes entre nós e o comportamento que buscamos ter.

Pedro: legal, eu concordo bastante com você. Eu gostaria até de pontuar algumas coisinhas aqui porque também grande parte do Batata Assando eu falo sobre as opções de cardápios low carb, modelos alimentares.

Eu acho que também quando a gente está querendo mudar de hábito e é algo que é difícil a gente começar a fazer. É diferente quando você come bem e quer passar a comer mal, aí é fácil.

Carol:muito fácil.

Pedro: mas quando você não tem a alimentação ideal e quer melhorar, a gente dá desculpa para não fazer o que a gente sabe que precisa fazer, mas é difícil, a gente fica sempre adiando. Bom, não ter esse planejamento é o que você falou, que a opção ruim é muito fácil. Aqui em São Paulo, você abre os aplicativos e tem coisas às vezes que você come 10 esfihas por R$5,00, tem promoções absurdas.

Veja também: refeições low carb por menos de R$5,00.

Carol: são coisas tentadoras, né? Ta ai na sua frente e na hora da fome tu não está muito preocupado com a sua saúde, você quer matar a sua fome. 

Pedro: até porque você está com a desculpa pronta na sua mão: como hoje eu não tive tempo, estou cansado. Porque realmente quando a gente está cansado esse poder de negação é muito menor. A gente sempre fala que amanhã começa, ou segunda-feira começa.

Aí você acaba furando a sua dieta simplesmente porque às vezes dois dias antes você não parou para pensar que na quarta feira você ia ter um dia corrido e não teria tempo, mas você sabia que seria corrido, mas você não se planejou.

Então a falta de planejamento acaba dificultando muito.

Baixe um planejamento alimentar gratuito para 7 dias aqui.

Carol: é bem isso. A gente acaba achando desculpas. Sempre tem uma desculpa do amanhã eu começo. A gente sabe que se a gente não dedicar um tempinho e nem é muita coisa, é só parar e pensar que o dia vai ser corrido ou a semana vai ser corrida então: “eu vou me programar e deixar algumas coisas prontas”.

Não precisa nem ser a refeição como um todo, pode ser os atalhos prontos, como já deixar os vegetais picados, a salada lavada.

Porque às vezes tu chega em casa e na geladeira está aquele pé de couve flor, quem disse que tu vai lavar, picar e fazer arroz de couve flor? Não vai. Então, tu tem que ajudar.

O que é e como Fazer um Planejamento Alimentar?

Pedro: Sim, eu até ia chegar nesse ponto. O que exatamente é fazer um planejamento alimentar?

Só que antes de começar a falar desse tema, só para terminar a questão da importância de se planejar, o ponto é que a gente gosta muito de se dar desculpa para não fazer o que é certo.

Eu até falo bastante disso com os meus clientes, que muitas vezes falam que teve que comer arroz no almoço porque ia sair.

  • Mas você não sabia que ia sair?
  • Você não sabia que isso ia acontecer?

Se você não se policiar muito e deixar para decidir na hora, não vai dar certo. A gente tem que tomar essa decisão antes e aí entra o planejamento alimentar.

Carol: tem até um meme que está circulando aí das pessoas escorregando na casca de banana e quando vê a nutella cai na boca da pessoa, como se a pessoa não tivesse escolha de comer aquele doce, simplesmente apareceu e caiu na sua boca. A gente tem escolha e tem ferramentas para nos ajudar e o planejamento é uma delas.

No mundo Ideal seria Assim

Pedro: com certeza. Bom Carol, como você acha que seria a maneira perfeita de fazer o planejamento? Seja o pensar ou seja o executar, como você deu o exemplo da couve flor.

Como que você faz e indica para o pessoal que está ouvindo a gente? 

Carol: bom, eu diria que eu poderia resumir a forma como fazer o planejamento em mais ou menos quatro passos. Até pensei nisso para deixar as coisas mais estruturadas. Então, o primeiro passo seria a gente olhar o que a gente já tem em casa. Então abre a dispensa, o freezer, a geladeira e vê os alimentos que a gente já tem em casa, principalmente da atenção aos alimentos que o prazo de validade está expirando, que está perto de vencer e pensa em utilizar eles primeiro.

Verificar o que Você tem em Casa

Por que verificar primeiro o que tu já tem em casa? Porque tu vai economizar, já não vai precisar gastar novamente e tu vai evitar o desperdício porque tu não vai ter que jogar aquilo fora, pode correr o risco de perder a validade e você não vai ter esse problema.

Pensar em Receitas com os Ingredientes Disponíveis

Você vai pegar esses ingredientes e vai pensar em receitas com esses ingredientes que você separou.

Se você tem couve-flor na sua dispensa, então tu vai pensar em receitas utilizando ingredientes como couve flor.

Monte o seu cardápio

O cardápio a gente vai montar levando em consideração aqueles alimentos que a gente já separou e tirou da despensa e viu que precisava usar. Se não separou nada, a gente vai pensar em receitas do zero.

Como eu falei, vou pensar em um arroz de couve flor e eu gosto de nessa parte quando eu parar para pensar no cardápio sempre pensar em receitas complementares, usando uma base e preparando vários ingredientes com ele.

Ganhando Tempo no Processo

Tipo assim, a couve flor como eu estava dando o exemplo, a gente fazer arroz de couve flor, um risotinho de couve flor e umas almôndegas de couve flor.

Então eu tenho três receitas diferentes com a mesma base, isso vai também facilitar na hora de executar todos esses preparos. 

Lista de Compras

Nós já temos o cardápio montado, então a gente vai pegar os ingredientes para fazer essas receitas, vai montar nossa lista de compras, que também vai nos ajudar a economizar tanto tempo porque no mercado vai ficar muito mais ágil a nossa passagem pelas prateleiras quanto também dinheiro né, porque a gente não vai ficar comprando osias desnecessários.

Baixe minha lista de compras gratuitamente aqui.

O melhor disso é que a gente vai evitar furos porque a gente vai comprar o que realmente a gente vai usar, então a gente não vai ter essas desculpas para nos dar.

Ir às Compras

O quarto passo seria depois de fazer as listas de compras, ir às compras e executar tudo. Depois até quando a gente falar sobre a forma como eu sugiro toda essa execução, vou falar que eu gosto de fazer isso em dias separados, mas aí a gente fala depois.

Pedro: eu acho que você falou uma coisa que estava na ponta da minha língua que eu ia falar que eu sempre digo que:

alimentação começa no mercado.

Ela começa para gente ter o que precisa comer como para gente não ter o que não quer comer. Quando a gente vai para o mercado

  • com fome,
  • sem planejamento,
  • estabanado…

A gente vai gastar mais.

O mercado é todo posicionado para a gente comprar mais e mais.

Então se a gente não se policiar, a gente vai acabar gastando mais dinheiro com coisas que a gente não pensou em comer e muitas vezes que a gente não deveria comer. Porque às vezes vai ter um chocolate ali, vai ter qualquer outra coisa em uma promoção e tudo mais e se você não pensou, você tem mais chances de errar.

Como eu falei, quando a gente está tentando melhorar, a gente tem que diminuir completamente as nossas chances de errar o nosso comportamento para ter mais chances de se manter firme no estilo de vida. Bom, depois de fazer essa parte, qual seria a próxima etapa que você queria falar agora?

Ação!

Carol: eu sugiro que depois disso é ir para a execução, executar todas as receitas daquele cardápio que tinha planejado. O que eu ia dizer é que eu gosto de fazer todo esse planejamento em dias separados para não ficar muito cansativo.

Então, eu sempre sugiro um dia para fazer essa parte mais de olhar a dispensa, pensar no cardápio e fazer lista de compras. Eu separaria isso em um dia. Aí em um outro dia eu iria no mercado, para encaixar com alguma outra tarefa que vai fazer na rua.

Aí em outro dia então partir sim para a execução do cardápio porque geralmente a execução do cardápio é a parte mais trabalhosa disso tudo e que vai talvez de desgastar mais porque tu vai ter que

  1. ficar em pé,
  2. cozinhar,
  3. cortar.

São umas duas horinhas dependendo da quantidade de preparo que for fazer para quantos dias, que pode te cansar mais.

Então eu sugiro deixar um dia para fazer o preparo. Por isso eu acho legal dividir essas tarefas em dias separados. 

Pedro: bem pontuado. Eu acho também que a gente tem que nesse ponto da execucao, pensando mais para o meu caso pessoal, eu já tive algumas fase de como fazer esse meu planejamento semanal, eu já tive fases de comprar muita variedade de legumes e verduras e não tanta variedade de carnes, era sempre uma carne moída ou um peito de frango, mas eu lembro que o meu maior problema era que eu comprava muita variedade de legumes e verdura e dava muito trabalho para preparar porque cada um é muito diferente um do outro.

Você precisa descascar o chuchu de um jeito, picar cenoura do outro, lavar a couve de outro. Então eram tarefas que não tinham muito a ver e para fazer refeições para 4 dias eu levava 4 horas e não era muito sustentável porque eu demorava muito.

Eu fui também simplificando com o tempo. Acho que é interesse para o pessoal que está ouvindo a gente que pode ser muito fácil simplificar. É o que você falou, pega ali dois ou três legumes e já deixa picado.

Escolhe ali duas outras proteínas que você mais gosta e já deixa engatilhada… porque às vezes muita gente que está ouvindo a gente não gosta tanto de ficar na cozinha e consegue fazer uma alimentação saudável de uma maneira prática.

Assim como quem gosta de ficar na cozinha ai tem bastante coisa para se divertir, mas é legal mostrar os dois lados da moeda pra quem tá ouvindo a gente e não achar que todo cardápio low carb tem que ser necessariamente trabalhoso.

Inclusive eu também pretendo falar mais sobre isso adiante. Agora, o que eu pensei em te perguntar é o que você escolhe no seu dia a dia para montar esse cardápio low carb, como o que dura melhor na geladeira, o que você precisa congelar, o que você tem para falar para o pessoal a esse respeito. 

Carol: assim, eu confesso que eu sou de fases. Tem épocas que eu sou a louca da abóbora é da moranga, aí é a semana inteira abóbora e moranga. Tem épocas que eu sou da berinjela, aí é a semana inteira berinjela. Outras vezes é couve flor. Então eu gosto de comprar um ou dois tipos de vegetais e vai variar a forma como eu vou preparar eles. Aí é como eu falei da couve flor.

Couve flor dá pra fazer arroz e dura na geladeira uns cinco dias. Os vegetais eu não gosto de congelar cozidos, não são todos que funcionam bem. Então, para congelar, eu gosto de fazer um mix de vegetais e fazer um branqueamento para ter eles no congelador em porções porque daí são super fáceis de eu usar.

Pedro: desculpa te interromper, o que eu quero também saber e imagino que muita gente que está ouvindo a gente também, é o que seria esse branqueamento, como que faz dele, por que precisa disso? Gostaria de mais detalhes.

Carol: primeiro vou terminar de falar o que eu gosto de fazer aqui. Na parte da couve flor, eu consigo fazer ela de diferentes formas, arroz de couve flor eu gosto de fazer para consumir na semana, dura até 5 dias tranquilamente.

Tem as almôndegas de couve flor que eu faço também com um pouquinho de farinha de amêndoas, é igual fazer almôndega de carne, mas você vai fazer com a couve flor. Tem uma que é imbatível que é a couve flor assada com leite de coco e cúrcuma e dura em torno de 3 ou 4 dias, nunca sobra para 4 dias.

Branqueamento de Alimentos: O que é e Porque Precisa?

Em relação ao branqueamento é porque precisa, na hora de congelar um vegetal, principalmente os vegetais com muita água, seria importante que eles já estivessem pré cozidos.

Não seria bem pré cozidos o termo, o branqueamento é tu levar eles para cozinhar em água fervente por em média 2 a 3 minutos a depender do tamanho do vegetal e qual vegetal, então tu vai levar eles por 2 a 3 minutos e deixar eles ali cozinhando, e aí vai retirar os vegetais e vai colocá los imediatamente na água com gelo para trancar o cozimento deles.

Então aquele cozimento vai dar um choque térmico para dar o cozimento.

Isso seria o branqueamento e vai fazer com que o vegetal conserve mais as suas propriedades, os seus nutrientes e vai permitir uma maior durabilidade dele ao ser congelado. Isso funciona bem com:

  • brócolis,
  • couve flor,
  • cenoura,
  • pimentão
  • vagem, dentre muitos outros.

Esses foram os cinco vegetais que eu mais faço aqui em casa. 

Pedro: agora duas perguntas, esses vegetais que você acabou de citar eu já congelei preparados e quando eles descongelam eles ficam meio molengas, aguados. O branqueamento evitaria isso?

Carol: o branqueamento vai evitar que ele fique tão murcho, ta? Mas aí tem uma outra técnica na hora de preparar ele que é para ele não ficar tão aguado que é tu não descongelar o vegetal, tu vai pegar ele congelado e vai jogar direto na frigideira ou na tua panela bem quente, isso vai evitar que ele dê aquela murchada.

Ou vai colocar eles em uma água de cozimento, eles ficam bons também e não murcham, parece que eles reabsorvem água. 

Pedro: legal. Realmente eu tinha feito descongelado no microondas, então eu acho que esse contraste do frio e quente não acontecia muito porque o micro vai esquentando devagarinho. Uma última dúvida, mas para congelar depois desse cozimento, você faz um cozimento no vegetal cru e congela? E depois descongela ele rápido também?

Carol: tu vai dar aquele cozimento rápido e ele não necessariamente vai descongelar tão rápido, tu tem que dar esse contraste na hora de descongelar também, entendeu? Vai dar esse choque térmico. 

Pedro: ai ja vai direto para o prato?

Carol: isso. Retomando para não ficar dúvidas, então a gente vai colocar na água quente e deixar por 1 ou 2 minutos e levar para o choque térmico por 1 a 2 minutos, vai secar bem o vegetal, vai separar e congelar. Aí depois de congelado tu vai colocar em uma frigideira bem quente ou na água já fervente para dar esse choque térmico e ele cozinhar e depois servir.

Pedro: legal. Como a Josiele fez uma pergunta exatamente sobre isso, eu não entendi muito bem a pergunta. A Josiele perguntou se o cozimento pode ser feito em banho maria? Eu acho que a ideia do cozimento é em água fervendo e você joga os vegetais, né?

Carol: seria isso até porque a gente quer o cozimento mais rápido, um choque térmico, queremos que aquele choque seja mais potente nos vegetais.

Pedro: bom, eu acho que tá respondida a dúvida da Josiele, se não manda de novo, ta? Gostaria de agradecer ao pessoal que está aqui, tem bastante gente acompanhando ao vivo. O Moacir fez um comentário bem legal e é muito bom ouvir quem conhece sobre o assunto de alimentação saudável.

A Deia falou que gosta do meu canal, legal, o conteúdo da Carol é excelente e eu concordo. Muito bom gente, você que está assistindo ao vivo agora por aqui, se você puder compartilhar e apertar aqui embaixo na flechinha e mandar para outras pessoas porque eu estou vendo aqui um número bem constante de pessoas, o que é bom porque mostra que não tem ninguém saindo da live, quem chegou está gostando.

Mas também não está aumentando esse número, né pessoal? Então vamos compartilhar essa live para todo mundo, vamos também dar coraçãozinho porque aumenta as chances do instagram mostrar essa live para mais pessoas, para mais gente poder acompanhar a gente ao vivo aqui.

É claro, também como eu avisei no começo, vai ficar disponibilizado depois na maneira de podcast nas plataformas de streaming que tem por aí e a transcrição no meu site batataassando.com.br, quem prefere ler depois o conteúdo inteiro pode conferir lá.

A ideia não é deixar lá no blog tudo de maneira jogada, a ideia é que depois eu vou deixar pontuado quando a gente falou de cada coisa para deixar de uma maneira bem ilustrada. Bom, já tendo feito a nossa pausa aqui e deixado a Carol tomar uma água, agora a gente chegou aqui na questão de armazenar os congelados e eu acho que eu já entendi a questão dos legumes e verduras.

Como armazenar comida ao longo da semana?

Agora eu queria perguntar sobre armazenamento, tanto na questão das proteínas quanto na geladeira. Como que daria para armazenar as comidas? 

Eu acho que primeiro você poderia começar falando dos legumes na geladeira e depois ir para as proteínas porque novamente minha pergunta foi muito abrangente. 

Carol: Assim, como regra geral, os legumes duram de três a cinco dias na geladeira, vai muito da forma como foi preparado. Se tem uma proteína junto aí já baixa para três dias.

Mas se são só os vegetais aí geralmente dura cinco dias na geladeira. Bem conservados geralmente eu gosto de armazenar em potes de vidro.

Eu sei que às vezes é mais difícil a gente ter pote de vidro, mas o pote de vidro é mais higiênico e não deixa aquele cheiro, ele pode ser levado tanto para o microondas como para o freezer. Então ele é mais versátil e mais saudável. Claro, tem potes de plástico e a gente tem que ter cuidado para que eles sejam livres de bisfenol.

Os vegetais seriam então de três a cinco dias na geladeira, mas eu considero que dá cinco dias se eles são vegetais sozinhos, tipo berinjela grelhada, cenoura cozida, arroz de couve flor, couve flor com leite de coco, os vegetais prontos.

No freezer, os vegetais duram até seis meses se estiverem branqueados.

Esse mix de vegetais eu faço uma vez no mês e eles branqueados e vão durar por até seis meses. 

Em relação às proteínas, elas tendem a durar um pouquinho menos na geladeira, diria que em uma média de três dias.

As proteínas sempre levando em consideração um correto armazenamento, principalmente se for carne com molho. Se tiver molho, evitar plástico e dar preferência para potes de vidro. Tampa também sempre fechada para evitar contaminação, é mais ou menos essa forma de armazenar corretamente.

Minha sugestão prática pra você

Pedro: legal. Legal também que uma dica prática minha é que quem vai preparar comida para mais de um dia e, por exemplo, para menos de três e não vai precisar congelar, eu acho que é inteligente optar por preparar as coisas de forma mais simples nesse momento para a gente garantir que o resultado daqui dois dias esteja bem parecido com o original. 

Porque tudo bem, não é que necessariamente a comida estará estragada, mas às vezes você acha que não gosta de tal alimento porque come ele sempre requentado dali dois dias e ele não estará com os seus sabores e texturas ideias. Tudo bem você preparar suas refeições para comer daqui um tempo, mas aí seria legal refletir bem o que você vai preparar.

Mas então Pedro, o quê eu devo preparar pra comer ao longo da semana?

Eu acho que a refeição ideal para mim que eu irei preparar hoje para comer daqui dois dias é fazer algum filé de carne, seja porco, bisteca, frango, boi ou carne moída.

Tem outras opções?

Pode ser que tenha, mas assim jogar na certeza, sabe? Essa mistura dá super certo, adicionalmente lavar a salada porque aí você não precisa perder tempo com isso.

E de repente você tem alguma dica de algum legume que não seja salada fria e fique bom depois de uns dois ou três dias na geladeira? O que você sugere para o pessoal?

Baixe meu cardápio low carb de 7 dias gratuitamente clicando aqui.

Carol: eu gosto bastante de chuchu refogado, é fácil de fazer. Cenoura refogada também. A couve flor assada que é muito fácil, é só jogar na assadeira, colocar no forno e esquecer por 30 minutos.

Ficam bons na geladeira por cinco dias tranquilamente. Dá para fazer. Em relação às proteínas, aqui em casa a gente gosta muito de carne moída ou frango desfiado. Eu adoro variar entre essas duas.

Aí o frango desfiado eu faço na panela de pressão e é uma ótima proteína, dura até mais de três dias. Sendo cuidadosa, eu diria que como regra geral três dias seria um bom tempo para manter na geladeira. 

Pedro: isso aí, a gente fala que dura três dias, mas é algo que se passa o quarto dia na geladeira e a gente olha e acha que tá com uma cara boa, a gente come.

Carol: claro, dá uma cheiradinha e vê como que está e vai vendo se dá para comer. Vai provar e vai ver se o gosto está bom.

Pedro: é isso mesmo, eu acho que na cozinha a gente às vezes tem que ter um pouco de feeling, as coisas não são tão exatas. Até porque a minha geladeira tem a temperatura diferente da sua.

Nada vai ser exatamente igual para gente seguir sempre regrinhas quadradas. Para finalizar, eu acho que uma comida que não fica boa se você deixar para comer 12 ou 24 horas depois são os ovos:

  • ovo frito,
  • omelete,
  • ovo mexido.

Se for comer isso, deixe para fazer na hora.

Carol: é tão fácil né. 

Pedro: é tão fácil, exato. Também a gente tá falando em facilitar a vida, mas a gente não pode ser extremista, querer facilitar tanto a vida e comer um omelete todo molengo daqui 3 dias.

Carol: não vale a pena. 

Pedro: bom, no mais eu acho que a gente já falou quase tudo de planejamento alimentar. Você tem mais alguma dica, alguma sugestão? 

Carol: uma dica é para as pessoas se abrirem para o planejamento. Não é trabalhoso, não é desgastante, é uma questão de hábito. É um hábito de tu começar a pensar com antecedência e também não é bitolar o que tu vai planejar. Não precisa seguir à risca o que você planejou.

A gente até estava pensando em alguma desvantagem, às vezes as pessoas falam que vão planejar e não vai comer outra coisa, e pode comer outra coisa. Se você gosta de improvisar uma refeição, então inclui isso no seu planejamento, incluindo o dia do improviso, um dia livre pra você pensar o que quer comer de uma forma mais descontraída.

Mas a gente sabe que tem dias que não dá tempo, que é tão corrido que é ótimo ter aquela comidinha pronta. Pedir para que as pessoas também parem e dediquem uma horinha de um dia para pensar nas refeições da semana e pensar como vai ser a semana para conseguir também sentir o impacto que isso tem na vida da gente.

Pedro: eu acho que isso é legal. E outra, às vezes também é só se planejar para você ter tempo livre para fazer outras coisas, sei lá, descansar também é bom às vezes.

Eu gosto de falar que eu gosto de cozinhar e eu gosto de descansar também. Então mesmo que eu cozinhe e me divirta, não é por causa disso que eu vou querer todo dia estar cozinhando por horas e horas, se não eu teria virado chef de cozinha. 

Carol: as pessoas pensam que porque a gente gosta de cozinhar, a gente tem que cozinhar todos os dias. 

Pedro: exato. Bom Carol, você acha que alguma coisa do seu planejamento na prática do dia a dia você acabou não falando ainda? Por exemplo, como que é um dia alimentar seu e como esse planejamento entra nisso? O que eu estou querendo dizer é para dar exemplos práticos de que se você não tivesse se planejado você talvez não teria se alimentado tão bem quanto você se alimentou.

Carol: bom, o que acontece aqui por exemplo é que eu tenho outro trabalho home office. Então assim, o meu trabalho não tem pausa ao meio dia. São aqueles 15 minutinhos para comer. Então se eu não tivesse me planejado, eu teria que comer com rapidez. Eu só vejo benefícios em fazer o planejamento. Acho que eu consegui contemplar todas as vantagens durante a live.

Como eu planejo meu cardápio no dia a dia

Pedro: agora eu vou falar um pouquinho de mim como funciona na prática para quem está ouvindo e para você também saber. Bom, eu acho que de tudo isso que a gente falou, eu concordo com tudo. Eu faço levemente diferente.

Eu me planejo fazer as compras, as minhas compras são todas certinhas e está tudo muito pronto aqui, está tudo muito ajeitado, eu faço os primeiros passos do planejamento. Só que eu tenho algumas preguiças que eu não ando abrindo mão delas. Por exemplo, eu não lavo mais salada e compro salada lavada. Legume eu já compro picado.

Então eu pulo algumas partes desse planejamento porque a minha alimentação é majoritariamente formada por proteínas. Eu vario bastante bife de fígado, frango, carne, vários cortes. Então eu tenho tudo isso cortado em bife no freezer. Então eu tenho a base da minha alimentação alguns segundos porque é só ligar a frigideira e colocar o bife lá.

Mesmo congelados, eles descongelam direto na frigideira e não fica ruim. Depende, se a carne for boa fica excelente. Ai eu pego esse acompanhamento que já está pré pronto na minha geladeira. No caso, se for uma salada lavada, eu só despejo no prato. Mas, na maioria das vezes, a abóbora aqui em sp já fatiada é muito barata.

Na feira eu acho que dá 1kg por cinco reais, então realmente compensa bastante. Ai eu acabo fazendo só esses legumes no momento do jantar com a carne. Ai eu como aquilo no jantar e no almoço do dia seguinte eu não gosto de parar meu dia para cozinhar. Eu só cozinho depois que eu terminei tudo o que eu precisava.

Ai eu ja tenho meu almoço pronto e a noite eu penso novamente o que eu vou fazer. Aí por exemplo, como eu fiz o meu planejamento alimentar nessa semana que passou, eu sabia que na quarta feira ia ter futebol e eu queria ver o Corinthians perder, aí eu não queria nem estar mexendo na cozinha nessa hora. Eu queria comer e ver o jogo. Aí eu fui lá na terça feira e já cozinhei para quatro refeições em vez de duas. 

Então eu consegui comer na terça, na quarta no almoço, na quarta na janta e na quinta no almoço. Então é o que você falou, às vezes o planejamento alimentar para quem está ouvindo a gente falar pode pensar que a gente pega uma calculadora e fica anotando e pensando, não é um bicho de sete cabeças.

Não é como se tivesse fazendo uma conta matemática, é muito mais simples. Quem assistiu tudo que você falou viu que é muito mais você pensar e às vezes com o auxílio de uma listinha de compras se planejar para você não ser pego de surpresa na hora da fome. Bom, gostaria de saber se quem está assistindo tem alguma coisa para perguntar, comentar ou pontuar. Se quiserem que a gente repita algo.

Ou se ficou tudo claro aqui, se está tudo bem por vocês. Enquanto isso, carol, você acha que tem mais alguma coisa para acrescentar para o pessoal sobre alimentação? Algum tema que você queira que a gente converse a partir de agora porque eu acho que nós temos mais pelo menos 5 minutinhos.

O Planejamento Alimentar da Carol

Carol: Na verdade eu acho que não tinha entendido a sua pergunta antes de como eu planejo e acontece meu dia a dia. Hoje eu e meu esposo estamos morando com os meus pais porque o meu apartamento está reformando. Então aqui estamos quatro pessoas. Na quinta feira a gente dá uma olhada na despensa, faz a lista de compras, planeja as refeições para os próximos quatro ou ou cinco dias. Um de nós vai no mercado, faz as compras e aí no final de semana a gente gosta de fazer. 

A gente pega um turno do final de semana para preparar as refeições. Aqui geralmente a gente gosta de fazer churrasco no domingo, então a gente pega esse momento do churrasco para preparar mais carne para a semana. Então a gente prepara uma peça de carne a mais, prepara um filé de porco, prepara um frango a mais, sempre pensando em uma, duas ou três refeições futuras. Eu gosto de preparar também bastante vegetais assados na grelha, no forno também .

Então, geralmente acontece assim, a gente pega o dia do churrasco para ter comida para mais dias. Quando a gente não faz o dia do churrasco, aí a gente pega um turno para preparar a refeição daquele momento e aí preparar aquela comida em mais quantidade e preparar outros acompanhamentos.

Aqui em casa o pessoal não é tão low carb assim, então sempre tem aquela fonte a mais de carboidrato, tem um arroz, tem feijão, aí tem muitos legumes. Eu estou muito feliz aqui em casa porque eu consegui fazer com que as pessoas comecem muito mais legumes do que se costumava comer anteriormente.

Então sempre tem ali umas duas opções de legumes, fora a salada. O alface a gente sempre procura também ter lavado. E as proteínas também, é aquela coisa de ter sempre uma opção pronta para a próxima refeição no mínimo. E quando não tem, sempre ter no congelador os bifes prontos já separados, tem o frango também.

Aproveitando o churrasco pra Semana

Pedro: quando você falou do churrasco para a semana, eu gostaria de saber quais carnes você acha que fica melhor para guardar para o dia seguinte e se alguma carne você acha que não fica tão legal. Você acha que tem alguma que seria melhor ou pior? Ou todas que você faz ali ficam boas iguais para o dia seguinte?

Carol: a gente costuma fazer aqui uma peça de maminha inteira para deixar. Vazio também, fraldinha é muito boa de fazer inteira porque tem aquela parte mais gordinha e a parte mais magra, aí contempla todo mundo.

Sobrecoxa também que a gente faz às vezes. O filé de frango eu sou fã, eu gosto muito mas o pessoal não gosta muito porque acha um pouco seco. E o porquinho é fundamental, tem que ter, um filezinho de porco é super suculento. O lombo às vezes a gente faz também, mas tem comprado bastante o filezinho suíno.

Baixe meu cardápio low carb de 7 dias gratuitamente clicando aqui.

Pedro: boas dicas. Até porque também o pessoal pensa que o churrasco sempre vai ser caro e você mesma falou sobre o frango que é sempre barato, o filezinho de porco sempre é barato. Mesmo a carne bovina que você citou que acaba sendo um pouco mais cara também são cortes mais acessíveis quando comparado a picanha, que claro é deliciosa mas nem por isso a gente é obrigado a comer picanha, tem outras opções.

Carol: não precisa comer picanha toda semana, então da para variar. São carnes muito saborosas. A própria costela que eu não sou muito fã, mas aqui em casa se consome bastante e ela não é tão cara. Então tem opções que ficam deliciosas. 

Pedro: costela eu também não sou muito fã. Quando ela está desfiada até vai, mas ali no osso eu não gosto muito. Você falou do vazio, aqui em São Paulo o que eu acho que é vazio aí no sul é a fraldinha?

Carol: é a mesma coisa aqui.

Pedro: é que aqui tem um açougue que inventou de ter um vazio. Aí eu fui comprar achando que era mais parecido com a fraldinha, só que eu acho que ele apelidou de vazio um patinho. Então para fazer na churrasqueira fica uma carne super dura que não tinha nada a ver com o vazio. O cara criou uma coisa nada a ver.

Mas então, o pessoal elogiou, muito boa a conversa e as dicas para o nosso dia a dia. O Pedroso perguntou se a vácuo dura mais e eu não sei porque eu não tenho a máquina que tira o vácuo, mas eu imagino que sim.

Fraldinha ou Bife do Vazio?

Carol: eu acho que com certeza quando tu tira o ar aumenta a durabilidade, mas quem tem máquina a vácuo em casa? É difícil, a maioria das pessoas não tem.

Pedro: com certeza. Também, eu acho que quem tem talvez nem esteja assistindo a gente porque a pessoa já sabe de tudo. A Leila falou do vazio, o nome que eu conheço vem do sul e é um tipo de fraldinha, pelo menos em São Paulo chama fraldinha.

Carol: aqui é fraldinha ou vazio. 

Pedro: Leila, vai ficar gravada,. Eu vou disponibilizar depois o áudio como forma de podcast para você ouvir e conferir como você preferir. Depois você pode ouvir. A Cecília elogiou, conversa muito interessante. A ideia desta live foi essa, espero que vocês tenham gostado. Não sei se a Carol quer se despedir, ai depois eu vou encerrar a live porque parece que não surgiram muitas dúvidas e também já estamos aqui há 53 minutos e nem parece, passou super rápido.

Carol: eu só queria agradecer o espaço aqui para ter uma conversa tão legal, agradecer o teu convite Pedro e que a gente fica à disposição. Mesmo se não tiver dúvidas aqui, o nosso instagram está aí. Quem quiser conversar comigo pode ir lá no instagram perguntar alguma coisa, no youtube também, estou a disposição sempre que precisarem. 

Pedro: eu quero te agradecer Carol, eu achei muito legal esse papo. Muito obrigado. Agradecer ao pessoal que assistiu a gente, teve gente que eu sei que ficou quase toda essa hora com a gente pegando conteúdo.

Espero que tenham gostado. Não deixem de seguir o Loca De Fome, como ela falou ela costuma responder o pessoal e tirar dúvidas. Então eu acho que vocês tem bastante a ganhar seguindo ela. Também, eu imagino que tenha gente aqui que conhece a Carol mas não me conhece, então sejam bem vindos, não deixem de seguir aqui o Batata Assando.

Eu fiquei muito feliz de ter feito isso. A Cláudia está agradecendo aqui a live. Então pessoal, depois vocês vão ter mais detalhes de como ouvir o replay.

Então, valeu Carol, boa noite para você, até mais.

Carol: valeu, boa noite.